30

Conversando com uma amiga mais nova que eu sobre a festa de 30 anos dela que está por vir, fiquei pensando, então, como é ter 30, já que não tinha parado ainda pra pensar nisso, uma vez que a gente fica muito ocupado vivendo. E me ocorreu o seguinte:

De repente 30

De repente uma ova. Desde os 25 você começa a pensar que faltam 5 anos para a derrocada. Com 28 então, você já quase responde “30” quando perguntam a sua idade.

Muda absolutamente nada

1. Sua família continua tratando você como um bebê e te escondem informações de pessoas e situações porque você é muito nova pra lidar com isso.

2. Seus pais continuam não prestando atenção nas suas histórias porque você deve ser ainda aquela menina viajandona e romântica, quando na verdade você só se tornou alguém espetacular com uma visão de mundo interessante.

3. Você continua não podendo cumprimentar (mas você queria, afinal, recebeu educação) algumas pessoas na rua, como atendentes de livraria, porque você ainda conserva aquela carinha de 23 e eles acham que você está dando em cima deles.

4. Seu metabolismo já estava lento aos 27, grande novidade.

5. Seu corpo ainda é o mesmo. Você só precisa fazer mais cárdio, funcional, musculação e lutas e parar de comer 1 caixa de Bis de uma só vez, sozinha.

6. E fazer hidratação no cabelo 2 vezes por dia. Semana? Não, dia, amiga.

Agora é pra valer: 30 é tão gostoso!

1. Você se sente tão jovem, que começa a entender que a idade realmente não tem relevância alguma. A não ser pra lembrar que ainda bem que você tem 30, e não mais 21!

2. Você se torna uma pessoa capaz de dizer não. Nem que ele esteja atrás de uma mentira bem elaborada.

3. Você pode recusar convites e propostas chatas dizendo simplesmente: eu não tenho mais idade pra isso, e voltar pra sua sessão de Chaves.

4. Saem da sua vida os “pele de bundinha de bebê” e entram os barbudos cheios de história pra contar. Tá, isso desde os 24.

5. Não tem que provar nada pra ninguém.

6. Você é cada vez mais você mesmo.

7. Se havia alguma dúvida, principalmente por parte de alguns familiares, agora não há mais. Ninguém pode dizer o que você tem que fazer da sua vida, é tudo problema seu. Uhuuu!

8. Você pode dizer que, depois de ler e estudar muito a respeito, acredita que não há deus e que os seres humanos vieram de seres mais inteligentes, de outras galáxias, sem ouvir dos seus pais que isso é um pecado – na real, eles não ligam.

9. Você crê cada vez menos em rótulos.

10. O sexo só melhora.

E vocês? Como vêem os seus 30?

Coletivo

Ônibus lotadaço, descendo a lomba em espiral. Todas as forças da física agindo, contra. Bolsa, sacola, casaco e guarda-chuva pra administrar. Mundo injusto, não aguento mais, tenho que sair dessa. Quero chegar em casa, só isso. A máquina freia fazendo a curva em que se paga pecados, o braço tenta agarrar um mastro, mas parece que deus não quer, tudo puxa pra baixo, tudo puxa pra trás. A mão vinda de um braço fininho, coberto com lã branca, pegou o meu, puxou e me colocou mais próxima do meu objetivo. Passei do chefão, acabou o sofrimento, estou segura, segurando numa barra, minhas coisas todas a salvo. O braço tinha um rosto. Uma mulher, da mesma idade, nariz alto e fino, com piercing de argola. Eu agradeci durante o puxão, rindo. Ela também sorriu.

Empatia ainda existe.

O que é, a vida?

Pra encerrar 2014, que já está com o prazo de validade vencido, entrevista do Provocações com o Robson Mendonça, ex morador de rua, um ser humano sensacional.

Eu adoro o programa, todo, mas fico aguardando ansiosamente pela pergunta final, que é feita duas vezes. E a reação do entrevistado muito me interessa e muito me revela. E assim, comecei a separar as pessoas em dois grupos: as que se espantam e dizem “mas de novo essa pergunta?” e as que a recebem, pela segunda vez, com um sorriso no rosto, um entendimento subjetivo, mas mais do que explícito, e uma resposta que vem do coração. Eu crio um carinho e uma admiração imensos pelas pessoas que compreendem e respondem sem pestanejar pela segunda vez. É tão bonito.

E pra você, o que é, a vida?